Domingo, 20 de Fevereiro de 2011

E tudo a água (e o betão) levou!


Em Fevereiro de 2007 publicámos aqui um artigo sobre os perigos que espreitavam o extraordinário vale do Rio Tua, a propósito do acidente ocorrido na linha férrea que então o percorria. Exactamente quatro anos depois, as piores ameaças concretizaram-se e, com a pompa e circunstância devidas ao assentar de uma primeira pedra, foi dado início à construção do jazigo que vai sepultar todo um património natural, paisagístico e cultural de grande valor. Mais uma batalha parece assim perdida a favor de interesses poderosos. E de batalha em batalha, vamos perdendo a guerra contra um paradigma de desenvolvimento insustentável, destruindo sem retorno marcas únicas de um património que deveria ser de todos nós.


A este propósito tomo a liberdade de transcrever o comunicado da associação ambientalista Quercus, o qual espelha o que vai na alma de muita gente e põe a nu algumas verdades que nos querem ocultar:
«A primeira pedra da barragem da Foz do Tua simboliza a pedra que se quer colocar em cima de um defunto aquando do seu enterro. Simboliza o desejo pela morte do Turismo do Tua, da biodiversidade do Vale, do Desenvolvimento Sustentável, do Património Humano, Cultural e Arquitectónico e da Linha do Tua com mais de 123 anos de História. Demonstra ainda o desrespeito pelo passado e o “não querer saber” do futuro. O desrespeito pela identidade da região.
A futura barragem, a ser construída, produzirá o equivalente a 0,07% da energia eléctrica consumida em Portugal em 2006 (Dados da Rede Eléctrica Nacional). Esta barragem afectará de modo irremediável o Património Natural do Vale do Tua, um dos mais bem conservados de Portugal. Afectará também de forma irreversível a paisagem Património Mundial do Douro Vinhateiro. A construção desta barragem:
- Viola a Directiva Quadro da Água, por destruição da qualidade da água;
- Acaba com a linha do Tua e com a acessibilidade ferroviária ao nordeste;
- Irá afectar muito negativamente os últimos dois pilares de desenvolvimento da Região de Trás-os-Montes e Alto Douro: a Agricultura e o Turismo. Recorde-se que estas duas actividades não são deslocalizáveis e de alto valor acrescentado.
Se barragens fossem sinónimo de riqueza e emprego, esta região seria uma das mais ricas e teria taxas de desemprego mais baixas da Europa. Contudo, tal não se verifica, bem pelo contrário. A região de Trás-os-Montes e Alto Douro está a ficar cada mais pobre e despovoada, sendo que a concretização deste empreendimento só irá agravar a situação.»

Recomenda-se também a visualização do excelente documentário “Pare, Escute, Olhe”, de Jorge Pelicano: http://www.pareescuteolhe.com/

Publicado por Armando às 14:52
Link do artigo | Comentar | Adicionar aos favoritos
|
2 comentários:
De Rafael Carvalho a 6 de Março de 2011 às 19:48
Quem me dera ter raízes,
que me prendessem ao chão.
Que não me deixassem dar
um passo que fosse em vão.

Que me deixassem crescer
silencioso e erecto,
como um pinheiro de riga ,
uma faia ou um abeto.

Quem me dera ter raízes,
raízes em vez de pés.
Como o lodão , o aloendro ,
o ácer e o aloés.

Sentir a copa vergar,
quando passasse um tufão.
E ficar bem agarrado,
pelas raízes, ao chão.

— Jorge Sousa Braga (Raízes)


De Armando a 6 de Março de 2011 às 22:05
Caro Rafael,
Obrigado pela partilha do belo poema.
Cumprimentos.


Comentar artigo

.Artigos recentes

. Rural Matters!

. Artes e Ofícios!

. Rural(idade) vs. Urban(id...

. Despovoamento!

. E tudo a água (e o betão)...

. Ainda há pastores!

. Agrocultura!

. Promessa!

. Povo que (ainda) lavas no...

. Adufada!

. Os Novos Povoadores!

. A propósito do fecho das ...

. Vamos Salvar Sortelha!

. Dia Internacional dos Mon...

. O Portugal de Orlando Rib...

. O Entrudo!

. Cantar as Janeiras!

. Ritos Transmontanos!

. Genealogia!

. Arquitectura Tradicional ...

. Música Popular Portuguesa...

. Etnólogos Portugueses!

. A aldeia da minha vida!

. Qual é a aldeia da sua vi...

. Nova Corte na Aldeia. Int...

. A propósito do acidente n...

. Querem destruir o Museu d...

. O que é a paisagem?

. Os incêndios e a desertif...

. Portugal a voo de pássaro...

.Arquivos

. Agosto 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Agosto 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Fevereiro 2007

. Outubro 2006

. Maio 2006

. Fevereiro 2006

. Novembro 2005

. Julho 2005

. Janeiro 2005

. Outubro 2004

. Julho 2004

. Abril 2004

. Fevereiro 2004

.Links

.Pesquisar neste blog

 

.Visitas

Website counter

.Visitantes Online

.Facebook